domingo, 26 de outubro de 2014

LUTA PELO TITULO DE CAMPEÃO


MARCO FERREIRA E A DEFESA DA INTEGRIDADE FISICA DOS ATLETAS!

Nesta 8ª jornada Marco Ferreira novamente se esqueceu que a 1ª função do arbitro é o de defender a integridade fisica dos atletas, ao não punir convenientemente os excessos disciplinares que ocorreram no jogo. A persistencia no jogo faltoso/violento só acontece nos jogos em que o arbitro pelo deficiente exercício da autoridade disciplinar transmite aos jogados uma sensação de impunidade. Em casos como o deste Braga-Benfica, a permisividade do arbitro leva os jogadores a ultrapassar continuadamente os níveis legais de agressividade competiva, pondo em risco a integridade fisica dos seus adversários.

Já no jogo Boavista-Benfica este arbitro havia sido bastante permissivo com o jogo violento. Se não corrigir este tipo de atuação, provavelmete no futuro os atletas vão continuar a abusar dos níveis de agressividade nos jogos dirigidos por este arbitro.

Aqui algumas imagens de lances ocorridos neste jogo sem a devida punição.
 
Além do penalti sobre o Gaitan existe uma defesa à guarda-redes do Custodio, que o mesmo juiz de linha que assinalou mão na bola num dominio com o peito do Lima nada de irregular viu neste lance. 

Marco Ferreira no futuro deve realmente em primeira instância cumprir a sua obrigação de proteger a integridade fisica dos atletas, pois tecnicamente este arbitro tem demonstrado capacidades para se tornar num dos melhores arbitros nacionais. 
Que não volte a permitir que lances como estes passem sem a devida punição. 
Marco Ferreira: Lances como estes têm de ser rigorosamente punidos disciplinarmente, só assim é possível não transformar uma partida de futebol numa luta livre. A longo prazo os adeptos vão perder o prazer de assistir as jogadas dos melhores jogadores.

4 comentários:

Carlos Antunes disse...

Estas imagens levantam mais do que a pergunta acerca da integridade física dos jogadores.
Levantam a pergunta de porque razão haveriam os melhores de querer ficar no Benfica quando percebem que umas equipas de merda, que pouco mostram de futebol, podem acabar-lhes com a carreira.
Como convencer os jogadores a darem mais, a meterem o pé, a tentarem uma finta, se lhes podem dar uma sarrafada e mandá-los seis meses para o estaleiro?

Anónimo disse...

Ha pessoas que acham que influência de um árbitro é marcar ou não aqueles pênaltis que ninguem tem a certeza se são ou não ,mesmo depois de ver 100 repetições, ou os fora-de-jogo milimétricos.
Influência é isto que se passou neste jogo, onde tudo valia pra travar os ataques do Glorioso e intimidar os seus jogadores. Se sempre que o adversário tem a bola sofre uma entrada dura que não só pára logo o lance como põe em risco a integridade fisica do jogador, fica quase impossivel jogar de forma fluida.
Mas depois quando se comenta o jogo só sabem dizer que o Jesus não tem banco nem sabe mexer e o braga fez um grande jogo.
Areia para os olhos de quem quer levar com ela.

Influência Arbitral disse...

Inacreditável ver a entrada de pitons na cara do Talisca, atleta com mais de 1,80mts. O lance é duma violencia que a vitima fechou os olhos intimidado e mesmo o próprio agressor também não foi capaz de abrir os olhos para assistir o momento final do contacto dos seus pitons na cara do adversário. Aparentemente também o arbitro deve ter fechado os olhos no mesmo momento e não viu nenhuma entrada violenta que ponha em risco a integridade fisica de um profissional de futebol.

Na agressão do Rubem Michael ao Jonas, este atleta com 1,83mts ao saltar para cabecear uma bola leva com os pitons em riste na zona lombar, sendo que a bola se encontrava a mais de 1mt de altura do local onde o Ruben Michael pontapeou.

Redangel disse...

Conhecendo o senhor do aPinto so fiquei surpreendido que o Talisca nao tenha levado amarelo por ter tentado morder os pitons do bracarense. Nada de novo no repertorio deste senhor e no frutabol tuga.