terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Reações a invasão de campo do agressor do Pizzi

O clima no futebol português está demasiado quente, os dirigentes em vez de promover o espetáculo, estão mais interessados em acicatar o ódio ao adversário, algo que pode levar a atitudes extremas, envolvendo mesmo violência física por parte da franja de adeptos mais suscetíveis de ser manipulados.
Seguramente que muitos dos Benfiquistas mais impacientes, há muito que exigem aos dirigentes do Benfica uma reação mais enérgica em defesa da salvaguarda da saúde dos seus jogadores, como sabemos muitos são os adeptos críticos do comportamento mais recatado que tem pautado a direção do Benfica numa altura em que os rivais estão persistem em declarações de guerra e em demonstrações publicas de Anti-Benfiquismo primário.
Após este lamentável incidente ocorrido num jogo que foi seguramente acompanhado em direto pela esmagadora maioria dos amantes de futebol em Portugal, esteve muito bem o Benfica em não vir imediatamente para a comunicação social apontar o dedo ao seu adversário que teve a infelicidade de ter vivido esse momento tresloucado em que perdeu a cabeça.

Esteve muito bem a direção do Benfica em não reagir a quente. É que uma pronta reação podia não deixar espaço para que o F. C. Porto pudesse condenar o infeliz comportamento deste adepto ocorrido na última 6ª-Feira. O dia 01/12/2017 terminou sem nenhuma pronta reação dos representantes máximos do F. C. Porto a condenar a violência. No dia seguinte aguardava-se então uma posição institucional de condenação deste ato hediondo no universo desportivo, mas nada foi comunicado publicamente, no Domingo, ou seja, após 48h também ainda não tinha havido uma posição pública sobre o tema. Esteve muito bem o Benfica em aguardar todo este tempo sem apontar o dedo, nem acusar o adversário, dando-lhe o espaço mediático necessário para que pedagogicamente pudesse efetivamente vincar de plena consciência o seu repudio a atos semelhantes a estes praticados em nome do amor ao clube que representam, sem que seja após alguma acusação do rival. Pois, sem uma previa acusão é mais genuíno e sincero qualquer pedido de desculpa por qualquer falta de hospitalidade que tenha ocorrido.




Hoje, 3 dias depois, saiu finalmente o comunicado do F. C. Porto a repudiar o comportamento do adepto agressor e a demarcar-se de qualquer iniciativa de apoio financeiro ou judicial do adepto, mas infelizmente mesmo nesse comunicado o clube não resistiu em acusar o rival, mas qual é a necessidade de sistematicamente fazer acusações ao rival?

O que é gerou a agressão do adepto ao Pizzi? Foi o pontapé na bola do dirigente Tiago Pinto, foi o empurrão do Marega no dirigente Benfiquista ou foi os clima criado pelo diretores de comunicação? Pode ser tudo isso e nenhum destes motivos referidos, mas o mais importante neste momento, não é atirar culpas ao rival, é o momento de os clubes se afirmarem por aquilo que podem fazer para não afastar mais adeptos do futebol, pois esta cultura de violência apenas levará a mais casos de agressões ocorram nos Estádios.


Os responsáveis pela comunicação do F. C. Porto que ponham os olhos nos responsáveis da comunicação do Benfica, que mesmo sendo muito pressionados pelos seus adeptos mais ultras para emitirem um comunicado a condenar o rival, conseguiram resistir durante 1, 2, 3 dias, continuam a contagem e até ao momento, o Benfica ainda não emitiu nenhum comunicado a apontar o dedo ao seu adversário. É evidente para os adeptos de futebol que o Benfica institucionalmente não esta a procura de aproveitar esta infeliz situação, para aumentar o clima de diabolização do rival desportivo aos olhos dos seus sócios, mantiveram-se em silencio, procurando não acicatar mais os ânimos, na tentativa de melhorar o ambiente geral no futebol, pois compreendem que só pode ser esse o caminho, de quem não quer gerar mais violência no Desporto Nacional. 

A intolerância das pessoas no Futebol Português esta a atingir proporções preocupantes.
Por exemplo, no último F. C. Porto-Benfica, aconteceram 2 erros na avaliação de lances de fora-de-jogo: um aos 50 minutos que permitiu indevidamente uma soberana oportunidade de golo ao Marega e outro aos 56 minutos que anulou indevidamente uma soberana oportunidade de golo do Aboubakar. 
De qual destes 2 lances falam os Portistas? De qual destes 2 lances falam os Benfiquistas? Será que falam de ambos os lances como sendo erros arbitrais importantes nessa partida quer no Porto Canal, quer na BTV, na RTP, na TVI, na SIC, no Ojogo, na Abola ou na Record?

Quem conhece 5 Portistas e 5 Benfiquistas que reconheça esses 2 erros, tem sorte em ter amigos com bastante desportivismo e quem encontrar 5 comentadores desportivos afectos ao rival a falar de um dos fora-de-jogo mal avaliados que favoreceu o clube de que é simpatizante neste último clássico é seguramente um previligiado no que toca a acesso de programas desportivos, pois normalmente na pratica semanal os fanaticos paineleiros recusam-se a assumir um erro arbitral que potencialmente poderia valer um golo em seu beneficio.

3 comentários:

pimenta 64 disse...

E a Direcção do Benfica já fez alguma conferência de imprensa, desmascarando, com vídeos e fotos, toda a lixívia?
Porque não o fez?
Compete aos blog's, fazê-lo?

Viva o Benfica!

Anónimo disse...

Cuidado com o embrulho pois os lagartos sao bem piores q ratos ,mesmo sabendo q o polvo azul a muito andava a fazer maroscas na liga proenca

Anónimo disse...

bom dia.primeira vez que visito este blog e em boa hora o fiz uma vez que o estou a achar muito moderado. quanto aos lances de fora de jogo não posso deixar de discordar. se o marega está em fora de jogo e daí resultasse golo, o VAR entraria em acção para anular esse mesmo hipotético golo.