domingo, 1 de junho de 2014

CONTAS ATUAIS E EVOLUÇÃO NOS ÚLTIMOS 5 ANOS

ALGUMAS QUESTÕES RELATIVAS AS CONTAS PUBLICADAS DO 3º TRIMESTRE DA ÉPOCA 2013/14

Ponto prévio. Aqui não utilizamos informações avulsas que a imprensa levianamente ou de acordo com as suas agendas escondidas vão tentando passar ao grande público, mas sim os números oficiais públicos das contas consolidadas destas duas instituições desportivas.

Após a publicação das contas dos 9 meses desta época desportiva, e nesta fase em que não há jogos para deliciar, não podemos deixar de centrar as nossas atenções na parte económica da competição desportiva.
Como compreendem neste espaço não se pretende elaborar uma analise económico-financeira demasiado técnica, que obviamente não seria facilmente assimilado pela imensa maioria. Com este "post" apenas se pretende dar o contributo o mais simples possível no sentido de esclarecer os adeptos de futebol interessados em conhecer a realidade económica em que competem atualmente o Benfica e o F.C. Porto pela primazia no futebol português. Esperamos contribuir com uma boa ajuda na compreensão do efeito económico no rendimento desportivo, mesmo para aqueles que não tem formação académica na área nem muitos conhecimentos das questões económicas ou contabilísticas, de modo a que de forma fácil consigam identificar uma mudança na capacidade destas duas equipas para luta pela liderança económica no futebol português.

Desde que existem as Sociedades Anónimas Desportivas, o F.C. Porto tem apresentado sistematicamente um maior orçamento do que a concorrência nacional e também no final de cada uma das épocas, invariavelmente constatamos que é clube com um maior gasto direto com a equipa de futebol. Nos últimos anos, o Benfica tem conseguido aproximar a sua capacidade económica ao F.C. Porto, fruto de alguns investimentos bem sucedidos na sua equipa de futebol e principalmente do meritório desempenho desportivo nas  competições europeias nas últimas 5 épocas, atingindo sempre os 1/4 finais desde que Jorge Jesus iniciou funções no Benfica. A partir desta nova época que está prestes a iniciar o Benfica estará em condições de se apresentar como a equipa melhor preparada economicamente para liderar a liga nacional.

Se nos centrarmos efetivamente nos gastos diretamente com o futebol, constituídos pelos custos com o pessoal, acrescidos das amortizações/perdas por imparidades acumuladas com atletas, acrescidos das despesas com os F.S.E. e Custos das Vendas, vemos que entre 01/07/2009 e 31/03/2014 o Benfica registou gastos de 472.157 mil euros enquanto que esses gastos acumulados no F.C. Porto foram de 535.406 mil euros.  Para sermos efetivamente coerentes a esses gastos totais devemos deduzir os proveitos gerados pela alienação dos passes dos atletas que foram de 180.019 milhares de euros para o Benfica e de 184.755 mil euros para o F.C. Porto. Se uma equipa conseguir gerar proveitos com a venda de passes de jogadores devemos ter presente que este valor realizado permitirá ao clube reduzir o gasto efetivo com a atividade futebol. Ou seja, o Benfica nestes últimas 5 épocas já incorreu num custo efetivo direto com a atividade normal do futebol de 292.138 mil euros (73% do total dos seus proveitos operacionais nesse período), tendo o F.C. Porto um custo efetivo 350.650 mil euros (99% do total dos seus proveitos operacionais nesse período).  Mesmo considerando as mais-valias obtidas com transações de passes de atletas, algo que o F.C. Porto historicamente tem utilizado com mestria para potenciar os seus resultados, nestas últimas 5 épocas o F.C. Porto acabou incorrendo em mais € 59 milhões de euros de gastos efetivo no plantel e F.S.E. do que o Benfica, tendo conquistado 3 campeonatos e arrecadando o Benfica os restantes 2 campeonatos.


Os relatórios e contas comunicados à CMVM desde 01/07/2009 até o último relatório intercalar de 31/03/2014 devem ser consultando por aqueles que pretendem realmente conhecer a realidade económica e financeira dos clubes que competem na Liga Zon Sagres.  Aqui fica a demonstração de resultados em 31/03/2014 e a comparação do agregado dos últimos 5 anos (4 anos e 9 meses) entre o Benfica e o F.C. Porto.
Fonte: Contas publicadas na CMVM

Muita comunicação social no intuito de menorizar ou minar o trabalho do atual treinador do Benfica, ao longo destas épocas vai recorrentemente insistindo em diversas inverdades no sentido de fazer passar para a opinião publica a ideia de que o Benfica com Jorge Jesus gastou muito dinheiro para competir com o F.C. Porto nestes últimos 5 anos.
É falso! Caro amigo, o Benfica realmente nos últimos anos tem aumentado o seu investimento no futebol mas quando analisamos os últimos 5 anos constatamos que ainda não é clube com maior gasto efetivo do futebol português, está ainda muito longe disso. Os números oficiais são esclarecedores!

Vamos agora pegar nos números do Balanço, que como os meus amigos sabem, consiste como que em tirar uma fotografia num determinado momento da situação de uma empresa, momento esse em que é possível quantificar o valor total do Activo, do Passivo e dos Capitais Próprios.

Assim, em 30/06/2009 tínhamos o Benfica com um Activo de €167 milhões e um Passivo de € 179 milhões, atualmente em 31/03/2014 consolidado o Estádio nas suas contas apresenta um aumento do Activo para € 416 milhões e também um aumento do passivo para € 423 milhões. O F.C. Porto que em 30/06/2009 apresentava um Ativo de € 184 milhões e um Passivo de 161 milhões, uma vez que ainda não consolida o Estádio do Dragão nas contas da SAD apresenta agora em 31/03/2014 um Ativo inferior, € 178 milhões apenas e mesmo assim o Passivo subiu para € 209 milhões.

Uma vez que, não existe informação disponível com os números associados ao Estádio do Dragão e partindo do pressuposto que estamos a falar de um equipamento desportivo com um valor aproximado ao do Estádio da Luz. Mesmo sendo espectável que seja inferior ao deste, uma vez que comporta menos adeptos, utilizando os números conhecidos do Benfica como referência podemos imaginar a grandeza de valores que estariam nas contas do F.C. Portos associados as instalações desportivas. Assim, focando nos Activos Tangíveis, rubrica que inclui essencialmente o Estádio, o Centro de Treino, Museu, em consequência do qual o Benfica nestes 5 anos teve devidamente reconhecido nas suas contas consolidadas mais € 76 milhões em Amortizações e perdas de imparidades acumuladas do que aquilo que estão refletidas nas contas consolidadas do F.C. Porto S.A.D, isto quando em 30/06/2009 ambas as equipas tinham aproximadamente € 4 milhões em Amortizações e perdas de imparidades acumuladas em Activos Tangíveis.
Fonte: Contas publicadas na CMVM


Espero que estes números tenham sido esclarecedores quanto ao caminho que estas duas SAD's estão a trilhar. As conclusões e previsões para os próximos 5 exercícios económicos ficam com cada um de nós, sendo certo que a nossa perceção da realidade também estará influenciado por aquilo em que cada um de nós acredita. Deixo aqui expresso, que acredito que o poderio económico é muito importante para se construir bons planteis e consequentemente obter as melhores classificações. Conclusão obvia que se retira quando analisamos o rendimento desportivo por exemplo durante uma década. A titulo de exemplo, o Benfica e o F.C. Porto tem dominado a liga nacional nos últimos anos, mas o F.C. Porto e o Benfica em 10 anos com o mesmo orçamento do Braga seguramente não teriam conseguido ficar 9 vezes a frente do Braga. Estamos esclarecidos quanto a influência do poderio económico no desempenho médio ao longo dos anos.

Gostaríamos de saber a sua opinião sobre qual das equipas estará em condições de conquistar mais do que 2 campeonatos nos próximos 5 anos?

2 comentários:

Anónimo disse...

Excelente para quem como eu percebe pouco de numeros.

Obrigado.

RMC

lawrence disse...

Excelente trabalho!
Que muitos economistas/jornalistas da praça também deveriam fazer em vez de andarem a esconder realidades!